Toca Raul!!! Blog do Raul Marinho

Corujas

Posted in Uncategorized by Raul Marinho on 28 maio, 2009

Screech Owl05.JPG

Para quem gosta de entender um pouco de Filosofia, mas não tem muita paciência para ler longos tratados, a crônica abaixo, do Luís Fernando Veríssimo publicada no Blog do Noblat de hoje:

A coruja do Hegel

Já me recomendaram que começar um texto citando Hegel (Georg Wilhelm Friedrich, século dezenove, alemão, muito alemão) serve dois propósitos:

criar no leitor uma expectativa de profundidade ou espantá-lo logo nas primeiras linhas, pois quem tem tempo para o Hegel hoje em dia? A você que continua a ler devo avisar que a tal profundidade não virá. Recorro a Hegel, ou à coruja do Hegel, para fins estritamente superficiais.

Hegel certa vez comparou a filosofia com a coruja da deusa Minerva, que carrega toda a sabedoria do mundo mas só voa ao anoitecer, quando não há mais luz para aproveitá-la. O que Hegel quis dizer (eu acho) é que qualquer período histórico só pode ser compreendido quando está no fim, e que a filosofia sempre chega tarde para explicá-lo. No fundo estava denegrindo o seu ofício. Ninguém tratou de interpretar a História com mais densidade do que Hegel mas no fim todas as suas teses e todo o seu palavrório não passavam do vôo tardio de uma coruja inútil, no seu próprio conceito.

Quando aquele outro alemão denso, o Marx, escreveu que os filósofos não podiam mais se contentar em interpretar o mundo e deveriam tentar mudá-lo, estava, sem citá-la, reivindicando um vôo mais conseqüente da coruja e um aproveitamento mais prático da sua sabedoria. O que Marx propunha era que a coruja, voando mais cedo, vencesse o vasto abismo que separava a filosofia da política. Um abismo que não começara com Hegel mas existia desde que Platão, desgostoso com a execução de Sócrates, renunciara à atividade política. Marx recrutava a coruja para a sua revolução. Se todo o marxismo pode ser visto, algo simplistamente, como uma crítica de Marx a Hegel, o que mais diferenciava os dois era sua opinião sobre os usos da filosofia, ou sobre a relevância da coruja e suas explicações.

No fim o que Hegel diz com sua metáfora é o óbvio, que a gente vive para frente mas compreende para trás, e que nenhuma filosofia ajuda a percorrer o caminho já percorrido. Na sua crítica Marx sustenta que o caminho percorrido nos mostra para onde ir e que a filosofia é que diz isso para a História. Por mais atrasada que chegue a coruja.

Anúncios

Juros e pecados

Posted in credito by Raul Marinho on 21 maio, 2009

usura

Está impagável a coluna de hoje do Luís Fernando Veríssimo no blog do Noblat:

Quantos anjos

A Igreja medieval tinha muitas razões para condenar o juro. Ele era produto de uma coisa infecunda, o dinheiro, e portanto contra a Natureza. Era um preço dado ao tempo, que é de Deus, e portanto uma apropriação indébita, além de herética. Era fruto de trabalho improdutivo e ímpio, já que dinheiro gerava dinheiro o tempo todo, sem respeitar os dias santos, e era portanto um péssimo exemplo para os fiéis. Mas desconfia-se que a Igreja combatia o juro, acima de tudo, para proteger sua metafísica da metafísica emergente do mercado.

A Igreja acabou cedendo e hoje não excomunga mais ninguém por usura. Com algumas adaptações – como a invenção do Purgatório, uma alternativa suportável ao Inferno para banqueiros e agiotas – aceitou o juro para não ficar de fora do melhor negócio do mundo, que é o do dinheiro produzido por dinheiro. Mas a grande vitória não foi da realidade do dinheiro, foi da sua irrealidade. A metafísica sem Deus do mercado foi mais forte do que a metafísica da fé, o valor arbitrário dado a abstrações financeiras foi muito mais potente do que qualquer abstração religiosa.

O bom da metafísica é que, como é feita no ar, só tem os limites que ela mesma se dá. Aqueles concílios da Igreja em que discutiam coisas como quantos anjos poderiam dançar na ponta de um alfinete são os antecedentes diretos dos conluios do capital financeiro que geraram as pirâmides de papel desligadas de qualquer lastro real, para o dinheiro produzir cada vez mais dinheiro, cada vez mais abstrato. Na questão dos anjos a discussão era entre os que diziam que o número de anjos que cabiam na ponta de um alfinete era limitado e os que diziam que era infinito. As mesmas especulações etéreas devem ter sido feitas sobre até onde iria a farra do capital especulativo. O número de anjos, descobriu-se com a chegada da Crise, era finito.

Mas o melhor das metafísicas é que elas se auto-regeneram. A Crise tem significado uma espécie de Purgatório para o capital financeiro descontrolado, mas nenhum dos seus beneficiários acabará no Inferno. Wall Street reage e retoma seus maus hábitos. A metafísica medieval pelo menos garantia a remissão dos pobres e dos virtuosos no fim dos tempos. A metafísica do mercado só garante a felicidade para ricos e espertos.

Sentimentos morais revisitados

Posted in Atualidades by Raul Marinho on 19 março, 2009

adam_smith

Logo abaixo, um excelente artigo do Luís Fernando Veríssimo, publicado originalmente no blog do Noblat:

Resgatando Adam Smith

Quando a nobreza parisiense perdeu a cabeça, literalmente, na Revolução Francesa as cabeleireiras da cidade ficaram sem emprego. Sua profissão, que incluía a montagem e manutenção de perucas, também fora guilhotinada. E foi a este contingente de desempregadas pela falta de cabeças que o barão Gaspard Riche de Prony recorreu quando inventou uma espécie de linha de montagem matemática para recalcular tabelas numéricas, já que a nova república adotara o sistema decimal. De Prony se inspirou em Adam Smith, que no seu “A riqueza das nações” descreve a divisão de trabalho numa fábrica de alfinetes. As moças recrutadas pelo barão só precisavam saber somar e subtrair, a inteligência estava na organização do seu trabalho, que lhes permitia fabricar logaritmos como alfinetes. Quando o matemático inglês Charles Babbage visitou a “fábrica” de de Prony em Paris se deu conta que as cabeleireiras podiam ser substituídas pelos dentes de uma engrenagem, e uma máquina podia fazer o mesmo trabalho. E inventou o que chamou de “Difference Engine”, o primeiro calculador mecânico bem sucedido (máquinas de calcular rudimentares tinham sido boladas, por Pascal e Leibniz entre outros, desde o século 17). Assim, nas origens do computador moderno – está o Terror.

Pode-se especular o que se originará da Crise que nos assola. Também teremos multidões de desempregados, mas com poucas chances de serem aproveitados em alguma nova tecnologia, como as cabeleireiras da França. Não haverá investimentos em novas tecnologias. É pouco provável que a Crise produza algum tipo de bonapartismo salvador como a revolução, mas é possível que o clima político que virá lembre o da restauração pós-Bonaparte, a nossa frustração com o fracasso do socialismo e agora com esse vexame do capitalismo imitando o desencanto com a promessa libertária esgotada da revolução.

Naquela época o espirito da Restauração também determinou uma mudança no pensamento econômico. Adam Smith, cuja obra antes de “A riqueza das nações” podia ser confundida com pregação reformista (ele era invocado até por Tom Paine, um dos teóricos da Revolução Americana) e incluía uma “Teoria do sentimento moral” passou a ser visto como profeta da economia como uma ciência moralmente neutra e um herói da reação, como é até hoje. Ou era até ontem. Talvez um dos efeitos da Crise seja o resgate do Adam Smith da primeira fase. Nos discursos feitos hoje contra os desmandos do capital financeiro que deram na Crise não se ouve outra coisa a não ser repetidos apelos pela volta do sentimento moral.

É prá lá ou prá acolá?

Posted in Atualidades by Raul Marinho on 12 março, 2009

left_right

Mais um excelente texto do Luís Fernando Veríssimo, do blog do Noblat:

Esquerda, direita etc.

O DNA não tem ideologia. Ou tem? Ele prova que todos nascem com o mesmo sistema de códigos, e portanto são iguais – ponto para a esquerda -, mas que cada indivíduo tem uma senha diferente, ponto para a direita, se bem que não necessariamente para os racistas.

Na velha questão biologia x cultura, o DNA dá razão a quem diz que características adquiridas não são hereditárias, nenhuma experiência cultural afeta os genes transmitidos e a Humanidade não ficará mais virtuosa com o tempo, muito menos socialista. Mas a própria descoberta do DNA e todas as projeções do que será possível fazer com a manipulação do material genético mostram como o ser humano pode, sim, interferir na sua própria evolução, e como existe nele uma determinação inata para o autoaperfeiçoamento. Parafraseando Marx: os cientistas sempre se preocuparam em compreender o ser humano, agora podem tratar de mudá-lo. Biologia não é, afinal, destino.

Mas a eugenia é uma ciência com uma péssima reputação. Seu apogeu anterior foi nos experimentos nazistas com prisioneiros durante a guerra.

E o exato significado de “aperfeiçoamento” é discutível. Uma pessoa “melhor” é uma mais preparada, pela aparência e a capacidade físicas padronizadas, e pelo espírito empreendedor, para as competições da vida ou uma pessoa mais solidária e mais tolerante com a variedade humana?

Essa indefinição ideológica dos nossos genes é apenas outra contribuição para uma longa lista de paradoxos. É “de esquerda” ser a favor do aborto legalizado e contra a pena de morte, enquanto direitistas defendem o direito do feto à vida, porque é sagrada, e o direito do Estado de matá-lo se ele der errado, embora sejam contra a interferência do Estado no resto da sua vida. A direita valoriza o indivíduo acima da sociedade, que é uma abstração, como dizia a Sra. Thatcher, mas aceita a desigualdade, ou o sacrifício de muitos indivíduos pelo sucesso de poucos, como natural. A esquerda muitas vezes atribui a um estado impessoal ou a um líder superpersonalizado a incongruente realização de um ideal igualitário. Et cetera, et cetera. E, aparentemente, o DNA não vai nos dizer se estamos condenados a ser contraditórios de uma maneira ou de outra. Era só o que nos faltava, o DNA ser do centrão.

Feliz é a mosca, que tem mais ou menos a nossa estrutura genética, mas absolutamente nenhuma curiosidade sobre o que ela significa.

Lendas darwinistas

Posted in Atualidades, Evolução & comportamento, teoria da evolução by Raul Marinho on 9 março, 2009

darwin

Incrível como a Teoria da Evolução é mal compreendida, mesmo por quem a aceita. Uma das principais confusões que se faz é sobre o próprio significado da palavra “evolução”, entendida no senso comum como avanço, melhoria, como na charge acima (publicada no blog do Noblat), que trata do caso do aborto da menina de 9 anos que fora estuprada pelo padrasto. Nela, o chargista tentou fazer uma crítica à Igreja Católica, que teria sido retrógrada (não evoluída) ao condenar à excomunhão os envolvidos no aborto, mas poupado o próprio estuprador.

Eu mesmo achei a posição da Igreja retrógrada, como se pode ver nesse post. O problema é que a palavra evolução, quando colocada na boca de Charles Darwin, não significa a mesma coisa que evolução no senso comum. As espécies não evoluem para ficarem melhores ou mais avançadas, a evolução darwinista é sobre a sobrevivência diferencial dos indivíduos mais adaptados ao meio em uma determinada população, mesmo que isso signifique retrocesso. Por exemplo: determinados peixes deixam de ter olhos funcionais ao evoluírem para sobreviver em profundidades marinhas abissais, e não se pode dizer que peixes cegos são mais avançados que peixes que enxergam, se tomarmos a palavra evolução no seu senso comum.

Outro equívoco da charge é insinuar que o ser humano seria a espécie mais evoluída do planeta. Nós não somos mais evoluídos que uma formiga, uma samambaia ou uma bactéria modernas: nós somos tão evoluídos quanto estas espécies. O fato de termos mais capacidade cognitiva ou desenvolvermos tecnologia e cultura nos faz mais evoluídos no senso comum, mas não no sentido darwinista do termo. Nós somos tão adaptados a sobreviver no meio ambiente quanto qualquer outra espécie viva, e mesmo em relação às espécies extintas, também seria incorreto dizermos que alguma é mais ou menos evoluída, já que estas eram adaptadas no meio ambiente delas.

De qualquer maneira, no mesmo blog do Noblat, também é possível encontrar um exemplo de autor “leigo” (não biólogo) que entende, de fato, o que significa evolução no sentido darwinista. Vale a pena ler esse artigo, do Luís Fernando Veríssimo, para ver um exemplo de bom texto sobre darwinismo.