Toca Raul!!! Blog do Raul Marinho

Sentimentos morais revisitados

Posted in Atualidades by Raul Marinho on 19 março, 2009

adam_smith

Logo abaixo, um excelente artigo do Luís Fernando Veríssimo, publicado originalmente no blog do Noblat:

Resgatando Adam Smith

Quando a nobreza parisiense perdeu a cabeça, literalmente, na Revolução Francesa as cabeleireiras da cidade ficaram sem emprego. Sua profissão, que incluía a montagem e manutenção de perucas, também fora guilhotinada. E foi a este contingente de desempregadas pela falta de cabeças que o barão Gaspard Riche de Prony recorreu quando inventou uma espécie de linha de montagem matemática para recalcular tabelas numéricas, já que a nova república adotara o sistema decimal. De Prony se inspirou em Adam Smith, que no seu “A riqueza das nações” descreve a divisão de trabalho numa fábrica de alfinetes. As moças recrutadas pelo barão só precisavam saber somar e subtrair, a inteligência estava na organização do seu trabalho, que lhes permitia fabricar logaritmos como alfinetes. Quando o matemático inglês Charles Babbage visitou a “fábrica” de de Prony em Paris se deu conta que as cabeleireiras podiam ser substituídas pelos dentes de uma engrenagem, e uma máquina podia fazer o mesmo trabalho. E inventou o que chamou de “Difference Engine”, o primeiro calculador mecânico bem sucedido (máquinas de calcular rudimentares tinham sido boladas, por Pascal e Leibniz entre outros, desde o século 17). Assim, nas origens do computador moderno – está o Terror.

Pode-se especular o que se originará da Crise que nos assola. Também teremos multidões de desempregados, mas com poucas chances de serem aproveitados em alguma nova tecnologia, como as cabeleireiras da França. Não haverá investimentos em novas tecnologias. É pouco provável que a Crise produza algum tipo de bonapartismo salvador como a revolução, mas é possível que o clima político que virá lembre o da restauração pós-Bonaparte, a nossa frustração com o fracasso do socialismo e agora com esse vexame do capitalismo imitando o desencanto com a promessa libertária esgotada da revolução.

Naquela época o espirito da Restauração também determinou uma mudança no pensamento econômico. Adam Smith, cuja obra antes de “A riqueza das nações” podia ser confundida com pregação reformista (ele era invocado até por Tom Paine, um dos teóricos da Revolução Americana) e incluía uma “Teoria do sentimento moral” passou a ser visto como profeta da economia como uma ciência moralmente neutra e um herói da reação, como é até hoje. Ou era até ontem. Talvez um dos efeitos da Crise seja o resgate do Adam Smith da primeira fase. Nos discursos feitos hoje contra os desmandos do capital financeiro que deram na Crise não se ouve outra coisa a não ser repetidos apelos pela volta do sentimento moral.

Anúncios

Uma resposta

Subscribe to comments with RSS.

  1. Lia Drumond said, on 19 março, 2009 at 2:00 pm

    Moral é o que há! A moral da ética pode ser a futura moral dessa história…


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: