Toca Raul!!! Blog do Raul Marinho

Crise econômica e seleção natural

Posted in Atualidades, crise financeira, Evolução & comportamento, teoria da evolução by Raul Marinho on 1 junho, 2009

darwin_bicentennial

Nova Granada, no interior de São Paulo, é uma cidade interessante. Conheço cerca de uma dúzia de granadenses, nenhum deles pessoas “normais”. Fábio Gandour é um desses “pontos fora da curva”: para se ter uma idéia do quão incomum é o sujeito, o Fábio é, ao mesmo tempo, médico (pediatra, se não me engano) e cientista-chefe da IBM(!!!). Conheci o Fábio no lançamento do meu livro “Prática na teoria”, e infelizmente nunca mais falei com ele.

Ao ler a última edição da revista Galileu, deparei com um artigo do Fábio, sobre crise econômica e seleção natural. Googlei “fabio gandour” de todo jeito, e não consegui encontrar nem o e-mail do Fábio, nem uma versão eletrônica do artigo (no site da revista, não está disponível). Por isso, escaneei o texto (vide abaixo) para poder comentá-lo, e fica aqui o convite para o Fábio responder aos meus comentários, se ele chegar a trombar com esse post. (Se algum conhecido do Fábio estiver lendo, peço a gentileza de encaminhar o link do post para ele).

A solução para a crise econômica? Seleção natural

No ano em que comemoramos os 200 anos do nascimento de Charles Daarwin e 150 da publicação do livro A Origem das Espécies, talvez também seja a hora de discutirmos uma questão bastante incômoda a ponto de ser constantemente evitada. Se em sua obra-prima Darwin construiu a teoria da evolução dos seres vivos, por que não analisar os obstáculos causados pelo progresso da ciência ao pleno exercício da seleção natural?

Antes de embarcarmos nessa direção, é recomendável que o leitor se desfaça, temporariamente, de qualquer influência de princípios éticos, morais e, principalmente, religiosos, para poder se concentrar apenas em aspectos técnicos e científicos. Sob o ponto de vista essencialmente científico, o homem, quando se empenha em tratar doenças e evitar a morte, impede a ação da seleção natural. Sim, visto pelo ângulo técnico da dinâmica populacional, o progresso da medicina atrapalha a seleção natural.

Ao impedir ou mesmo adiar a morte de indivíduos que apresentam alguma inaptidão para sobreviver e que morreriam naturalmente, evitamos ou prorrogamos a ação da seleção natural. O prolongamento da vida de um ser vivo frágil também aumenta suas chances de se reproduzir e transmitir essa fragilidade a seus descendentes.

A seleção natural sepultaria essa fragilidade e, por isso, tem o notório efeito de melhorar a competitividade, eliminando falhas e abrindo espaço para a sobrevivência dos indivíduos mais resistentes e bem adaptados.

Ao tolher a sua ação, evitamos que aquela população evolua para um novo patamar, mais competitivo. Essa verdade, um tanto inconveniente, vale tanto para a medicina quanto para qualquer outra ciência destinada a prolongar a vida de um ser vivo que se encontre enfermo por uma determinada razão. Trata-se de uma verdade cruel, mas incontestável.

E já que viemos até aqui, podemos ir mais longe na mesma direção. No caso do homem, a atitude de proteger a vida e impedir a seleção natural dos inaptos ao ecossistema do momento já se transformou em um valor social incorporado ao comportamento das populações. Um valor às vezes questionável, mas que, mesmo assim, se manifesta com frequência.

Um exemplo disso pode ser visto na atual crise econômica. O cenário globalizado em que ela acontece pode, com alguma poesia, ser chamado de ecossistema financeiro mundial. De repente, alguns “indivíduos” dessa população começaram a apresentar sintomas de grave enfermidade, que logo se alastrou por quase todo o ecossistema. Se deixássemos a seleção natural atuar, esses bancos adoecidos por dívidas impagáveis, créditos de origem duvidosa, pagamentos de bônus de mérito discutível e outras fragilidades estruturais, deveriam ser naturalmente selecionados para morrer.

Assim, levariam para o túmulo seus atributos genéticos representados por uma administração ineficiente e que bordeja a ilegalidade. Seria a seleção natural atuando com liberdade, eliminando uma espécie frágil e deficiente para abrir espaço no ecossistema para o surgimento de outra espécie mais bem adaptada e, portanto, mais forte.

Mas não é isso que vem acontecendo – e que seria extremamente saudável nesses casos. Como já incorporamos um valor social que combate a seleção natural, internamos os bancos enfermos em UTls de hospitais com nomes incomuns, como Federal Reserve Bank, sistematicamente mantidos por governos. Nessas UTIs, bilhões de dólares são injetados nas veias dos “pacientes”, e eles não morrerão. Ao sobreviver, terão novas chances para reproduzir e transmitir a seus descendentes todas as falhas atuais de seus organismos. Mais uma vez, a seleção natural não ocorreu. Na verdade, o ecossistema involuiu.

Charles Darwin nunca foi banqueiro – nem bancário -, mas até no ecossistema financeiro globalizado sua teoria da evolução teria sido útil se acontecesse com liberdade e naturalidade.

Comento:

Tudo o que comentar a seguir não terá, como recomenda o autor, qualquer viés moral (aliás, é a mesma recomendação que faço no meu livro). O problema é que, focando no aspecto exclusivamente material, deixar a seleção natural agir livremente não leva, necessariamente, aos melhores resultados. “Evolução”, no sentido darwinista, nada tem a ver com “melhoria” ou “progresso”, mas sim com “sobrevivência diferencial de populações”. Vejamos, como exemplo, o que está ocorrendo em relação à resistência à malária – uma das poucas frentes de evolução humana atualmente em curso.

Em determinadas regiões do planeta, existem populações portadoras de uma mutação que produz hemácias ligeiramente deformadas, o que gera uma doença hereditária chamada anemia falciforme. Essa doença gera diversos problemas mais ou menos similares à anemia comum: hemorragias, descolamento de retina, acidente vascular cerebral, enfarte, calcificações em ossos, e insuficiência renal e pulmonar. Mas, por outro lado, imuniza a pessoa contra a malária (ou atenua as crises). Em regiões muito afetadas pela malária, a seleção natural favorece a sobrevivência de populações portadoras da mutação porque a malária mata mais que as conseqüências da anemia falciforme. Essas populações, mais evoluídas no sentido darwinista, serão, de fato, melhores que as populações sem anemia falciforme? De jeito nenhum, tanto é que em regiões em que a malária está sob controle, a anemia falciforme acaba selecionada para desaparecer.

Por isso, é sempre muito temerário fazer qualquer afirmação como a da primeira parte do artigo, de que a seleção natural “tem o notório efeito de melhorar a competitividade, eliminando falhas e abrindo espaço para a sobrevivência dos indivíduos mais resistentes e bem adaptados”. Mas este não é o problema mais grave do artigo. Quando o autor sugere que se deixe as empresas afetadas pelos erros que levaram à crise econômica mundial à sorte da “seleção natural”, está cometendo um erro já testado em várias crises anteriores, em especial a crise de 1929. Trata-se da aplicação do liberalismo clássico, que Keynes mostrou não resolver em situações de grave crise.

Internar empresas como o Citibank e a GM em UTIs financeiras, por outro lado, não significa “involução” – pelo contrário: o Citi e a GM do futuro deverão ser empresas muito melhoradas. Empresas não são organismos, embora se pareçam com eles em alguns aspectos. O Citibank de 2012 não deverá carregar os “genes ruins” que o levaram à insolvência em 2008/09 justamente porque passou por uma situação que quase o matou. Empresas, ao contrário de organismos, podem alterar seus genes.

Anúncios

Evolução peculiar

Posted in Evolução & comportamento, teoria da evolução by Raul Marinho on 18 março, 2009

darwins_first_tree_of_life

A nota abaixo, publicada hoje na Folha (uma excelente reportagem do Ricardo Mioto), fala do caso peculiar ocorrido em Santa Catarina, de preás que ficaram separados em uma ilha e evoluíram diferente dos que permaneceram no continente. Chama a atenção o tamanho da população (cerca de 40 indivíduos), o espaço físico que ela ocupa (a área de um campo de futebol), e a “rapidez” com que ela ocorreu – 8mil anos é um átimo para a evolução. Mas o que merece destaque mesmo é o seguinte:

Consanguinidade/incesto

De acordo com Lévi-Strauss,  o tabu do incesto é, antes de prejudicial em termos biológicos, um absurdo social. Já dizia o antropólogo que os problemas biológicos da consanguinidades se resolveriam em algumas gerações, e os genes deletérios seriam expulsos da população pela seleção natural com razoável rapidez. É exatamente o que aconteceu com os preás, que não apresentam mais nenhum problema decorrente do cruzamento entre parentes. (E nem social, aliás, já que a organização deles é bem mais simples que a nossa).

Vulnerabilidade a predadores

Apesar de ser contra-intuitivo, o fato é que os predadores são fundamentais para a saúde de uma população de predadores. Sem eles, os predadores ficam extremamente vulneráveis e podem ser extintos com muita facilidade, exatamente a situação dos preás de Santa Catarina.

Agora, a reportagem:

Espécie sobrevive sem variedade genética

Preás isolados em ilha catarinense contrariam teorias ao evoluir por 8.000 anos em população de apenas 40 indivíduos

Espécie inteira forma uma grande família, onde incesto é comum e não provoca defeitos na prole; um único gato pode causar extinção

Pesquisadores brasileiros descobriram uma espécie que, após 8.000 anos isolada mantendo uma população de cerca de 40 indivíduos, praticamente não apresenta mais diversidade genética. Os animais são tão parecidos entre si que um teste de paternidade através do DNA, como o utilizado em humanos, não seria viável entre eles.
Os preás da ilha catarinense vivem muito bem, obrigado, em uma área equivalente à de um campo de futebol -menos de um hectare. Pelas teorias genéticas tradicionais, ela deveria estar extinta há tempos.
“Parece claramente ser o caso mais extremo conhecido de uma espécie vivendo tanto tempo com uma população tão pequena”, diz o geneticista Sandro Bonatto, da PUC (Pontifícia Universidade Católica) do Rio Grande do Sul.
“Pelos padrões clássicos, ela não poderia estar viva. Esses animais podem mudar nossa compreensão da biologia das pequenas populações.”
Os pesquisadores encontraram os animais em uma das ilhas do arquipélago de Moleques do Sul, a 8 km da ponta sul da ilha de Florianópolis.
A espécie, a Cavia intermedia, é prima do preá que fica no litoral do continente, a Cavia magna. Uma possibilidade é que, após o término da última era do gelo, há cerca de 8.000 anos, quando o nível do mar subiu, elas tenham se separado.
Os poucos indivíduos ilhados deram, então, origem a uma nova espécie, que com o tempo se adaptou às condições da ilha: pouco espaço, vegetação baixa e nenhum predador.
O pouco espaço resultou numa população pequena. A ilha tem cerca de dez hectares, mas boa parte do terreno é rochoso. Sobra para os preás um décimo disso, em uma área com grama. Essa vegetação baixa fez com que eles ficassem menores do que os seus primos, que têm acesso a mais comida.
Os preás são os únicos mamíferos da ilha. A ausência de predadores, aliada à estabilidade climática do local -aparentemente nenhuma catástrofe natural aconteceu nos últimos tempos por lá-, permitiu milênios de sossego.
Os cientistas sabem que a população nunca foi grande porque todos são geneticamente parecidos, como se toda a espécie fosse uma grande família.
Para verificar a proximidade genética entre os preás, o grupo de Bonatto recorreu ao mesmo tipo de exame de DNA usado em testes de paternidade.
“É uma das menores diversidades genéticas observadas no reino animal”, diz Ricardo Kanitz, também da PUCRS.
O incesto, portanto, é comum. Em humanos, filhos de parentes podem nascer com alguns tipos de deformação. Não é o caso desses animais: como a população é muito pequena, os cruzamentos que poderiam gerar filhotes defeituosos já aconteceram e os alelos (versões de um mesmo gene) que poderiam causar problemas já foram eliminados pela seleção natural. É normal, portanto, que um filhote seja filho de irmãos.
Essas deformações não são frequentes o suficiente para extinguir uma espécie, mas a inexistência delas é sinal de que os preás se adaptaram à sobrevivência em um pequeno grupo.

Ameaças
Como qualquer grupo pequeno e isolado, entretanto, os bichos correm riscos. A ilha está dentro do Parque Estadual da Serra do Tabuleiro, o que deveria limitar o acesso a ela. Mas, na prática, não é assim.
“Alguns pescadores vão lá, usam como base para trabalhar. O perigo é soltar um gato, um cachorro ou algo assim sem querer e ele acabar com os preás”, diz Bonatto.
Além de gatos fujões, eventuais catástrofes naturais também oferecem perigo aos preás. “Um furacão, por exemplo, poderia matar todos”, diz Bonatto. E um já aconteceu, em 2004.
Além de Bonatto e Kanitz, participou do trabalho Carlos Salvador, então na Universidade Federal de Santa Catarina.
Ao contrário dos preás, todas as espécies com poucos indivíduos vistas até hoje estavam no rumo da morte, fosse natural, fosse por ação humana.
“Alguns trabalhos afirmam que uma espécie, para sobreviver a longo prazo, deveria ter no mínimo 500 indivíduos”, diz Kanitz. “Talvez os preás proporcionem lições importantes de estratégias de conservação”, concorda Bonatto.

Game over

Posted in Atualidades, Evolução & comportamento, teoria da evolução by Raul Marinho on 16 março, 2009

evolution1

Para quem gosta de Evolução, o artigo abaixo – uma contribuição do Antonio Maia, do The Prospect – é imperdível:

Evolução humana “chegou ao fim”, afirma biólogo darwinista

John Cornwell

Quando “A Origem das Espécies” de Darwin foi publicado em 1859, não demorou para que teólogos sensíveis, como o cardeal John Henry Newman, aceitassem a evolução como parte da providência divina. Mas até hoje o mundo cristão continua dividido entre os criacionistas que leem o Gênesis literalmente, e os que o veem de forma não literal, como um mito ou um poema. Enquanto os criacionistas leem a Bíblia como um texto cosmológico, outros tratam a evolução como uma teoria para tudo.

O darwinista Steve Jones, eminente biólogo e escritor talentoso, é professor de genética e chefe do departamento de biologia do University College, em Londres. Conversei com ele recentemente em sua sala no Laboratório Galton, atrás da estação Euston, para falar sobre o darwinismo.

Para celebrar o bicentenário de Darwin, Jones publicou um novo livro, “Darwin’s Island” [“A Ilha de Darwin”], que examina as pesquisas pouco conhecidas de Darwin sobre a flora e a fauna britânicas. Jones declarou recentemente, de forma provocativa, que a evolução humana “chegou ao fim”. E agora, nessa entrevista, volta a afirmá-lo.

“É sério isso?”, perguntei.

“Veja, no mundo desenvolvido, os homens em média têm filhos mais cedo do que antigamente. Isso significa que há menos chance de que o esperma sofra mutações que poderiam levar a uma mudança evolucionária”.

Não me convenci. Afinal, há apenas 50 anos, a média de expectativa de vida era bem menor, então é claro que em média os homens tinham filhos mais cedo. Mas acho que o que John quer dizer é que o homem de hoje tem um período de procriação curto, que vai apenas do final dos 20 anos até antes dos 40. No passado, entretanto, a maioria dos homens (principalmente os mais bem sucedidos) teriam filhos ininterruptamente, desde a adolescência até os 50 ou 60 anos. Então, apesar de ter aumentado a média de idade com a qual o homem tem o seu primeiro filho, a média da faixa etária em que eles têm filhos é menor.

Ele acrescenta: “a evolução também requer que populações isoladas possam acumular adaptações, como nas ilhas Galápagos. O mundo moderno, com suas viagens de avião, remédios e proteção contra as intempéries, faz com que seja muito pouco provável encontrar mutações significativas prosperando num habitat isolado”.

“A força motriz da evolução humana é o homem”, continua Jones. “Os óvulos das mulheres são produzidos antes do nascimento, e na vida adulta o número de divisões celulares que podem desencadear uma mutação bem sucedida está em torno de 20, desde o óvulo que lhe deu origem até o óvulo que produzirá seus filhos. Mas o esperma de um pai de 28 anos de idade passa por 300 divisões celulares desde o esperma que lhe deu origem até o esperma que ele passa adiante. Em um homem de 50 anos, são 2 mil divisões celulares. Assim, são os pais mais velhos que levam a evolução humana adiante através das mutações genéticas. Mas nos países desenvolvidos, a maioria dos homens não se reproduz mais a partir dos trinta e poucos anos.”

E quanto às mutações resultantes de testes nucleares e Chernobyl?

“Claro, o DNA pode ser afetado por influências do ambiente. Mas apenas 0,2% da exposição à radiação é produzida pelo homem; a maior parte vem do radônio no solo e nas rochas”.

Jones, entretanto, concorda que ainda é possível uma espécie de microevolução – por exemplo, na disseminação de genes resistentes ao HIV/Aids. “Eventualmente os sobreviventes passarão seus genes resistentes para a próxima geração, criando uma população em geral resistente. Mas isso não assinala uma mudança significativa na espécie humana”.

E quanto à ideia de que os humanos podem se tornar mais ou menos inteligentes?

“Foi Francis Galton, um dos primeiros geneticistas”, disse Jones, “que veio com a ideia de que os seres humanos estavam destinados a emburrecer porque as pessoas inteligentes têm menos filhos, enquanto as burras e irresponsáveis se reproduzem com mais rapidez”. Contra Galton, Jones cita o “efeito Flynn” – o aumento do QI médio no mundo desenvolvido durante os últimos 50 anos, que recebe esse nome por causa do cientista político James R. Flynn.

Flynn argumentou que esse “efeito” não demonstra um aumento genético na inteligência – mas que se deve a um desvio nos testes de QI, que privilegiam o um tipo de raciocínio abstrato que melhorou durante o século 20 por causa da educação e da tecnologia. Antigamente, as pessoas tinham o mesmo poder cerebral, mas menos experiência com o raciocínio abstrato.

Jones também não se impressiona com a possibilidade de a engenharia genética deixar uma marca na evolução humana. Ele admite que poderão haver algumas melhorias superficiais na capacidade humana, com drogas como a ritalina para a concentração, ou provigil para combater a fatiga. Mas segundo ele essas são mudanças superficiais e não-genéticas.

Jones também insiste que os habitats isolados não continuarão suficientemente isolados para permitir mutações. Ele chama isso de “a grande coalescência global”, a forma pela qual os seres humanos escaparam das “leis impiedosas de vida e morte” da evolução. E continua: “diferenças herdadas na capacidade de superar resfriados, fome, deficiência de vitaminas ou doenças não movem mais a máquina da evolução. As pessoas morrem por causa disso, mas quando estão velhas e a evolução não as percebe mais”.

Então essas melhoras não indicam um avanço evolucionário?

“Darwin argumentava que a evolução não tem uma tendência inerente para melhorar ou piorar as coisas. De fato, é mais provável ter alguma surpresa ruim virando a esquina. Um dia poderemos simplesmente falhar em nossa luta pela sobrevivência”.

Jones explica que uma das grandes divisões na compreensão da evolução é entre as noções de propósito e não-propósito. Um exemplo do problema, continua, é encontrado na ideia de uma asa ou um olho pela metade – normalmente discutida pelos defensores do “desenho inteligente” [ou criacionistas]. Segundo eles, como alguma coisa pela metade não tem nenhuma vantagem evolutiva, ela deve de certa forma ter sua função final codificada dentro de si antes de começar sua jornada. A resposta de Jones para essas anomalias admite o mistério da falta de fósseis que evidenciem transições graduais, por exemplo, de uma situação sem asas, para meia asa (sem nenhuma vantagem evolucionária), para uma asa totalmente operacional.

Essa aparente falha na teoria evolucionária encorajou a hipótese do “desenho inteligente” de propensões inerentes para um desenho mais complexo. “Há muitas pessoas que estão felizes em acreditar em parte da história da evolução”, diz Jones, “mas argumentam que Deus fornece um ímpeto de propósito por trás de tudo”.

“Eu não consigo entender a ideia de que tudo tem um ‘significado’ na evolução”, diz Jones. Ainda assim é difícil, senão impossível, acredito, até mesmo para os biólogos mais reducionistas escreverem de forma acessível sobre evolução sem usarem em certo grau o discurso do propósito antropomórfico – até mesmo em termos que parecem neutros como “vantagens”, ou “sobrevivência do mais forte”, “adaptação”.

Enquanto cientista altamente literário, Jones se diz consciente, e talvez até culpado, da justaposição entre a metáfora e a ciência. O próprio Darwin, ele admite, era dado a metáforas imaginativas; seu companheiro constante no Beagle foi uma cópia de “Paraíso Perdido”
[obra poética do escritor John Milton], e um dos aspectos mais excepcionais de “A Origem das Espécies” é sua capacidade de misturar metáfora e ciência, criando um efeito belíssimo.

Além do simples deleite com a descrição natural, o entusiasmo de Jones com os estudos de Darwin sobre os crustáceos e outras minúcias britânicas parte de sua especialização acadêmica, a genética.

“O DNA, assim como os corpos que ele constrói”, diz Jones, com os olhos iluminados, “é baseado numa série de variações numa estrutura. Conforme um óvulo amadurece, órgãos complexos – olhos, ouvidos, mãos e cérebros – são formados a partir de elementos que só poderão ser distinguidos no embrião”. Em momentos como esse, trazendo a biologia do desenvolvimento para a vida, a conversa com Jones se parece mais com as passagens líricas de seus livros – hinos à beleza, sutileza, e o potencial das criações vivas em seu progresso “da fertilização ao túmulo”.

A ligação entre a seleção natural e o DNA estava esperando para acontecer; nesse sentido Jones e seus colegas biólogos são os herdeiros diretos de Darwin. “A seleção natural”, diz Jones, “deixa suas pegadas na dupla hélice de muitas formas. Grandes trechos de DNA homogêneo de ambos os lados dos genes europeus para cabelo loiro e digestão de leite mostram que as variações benéficas arrastaram junto suas vizinhas à medida que passaram pela população durante os últimos milhares de anos”.

Darwin aparentemente queria acrescentar um capítulo sobre seres humanos em seu trabalho sobre a origem dos animais de fazenda. Esse capítulo está sendo escrito agora com a ajuda dos geneticistas modernos. Muitas das mudanças físicas na linha humana desde que ela surgiu lembram as que aconteceram nos animais domésticos, admite Jones.

E quanto à inteligência humana, que nos permite dar continuidade à visão de Darwin no campo da genética, Jones diz: “nossos cérebros, sozinhos, não diminuíram”.

John Cornwell é diretor do Projeto de Ciência e Dimensão Humana no Jesus College, Cambridge

Tradução: Eloise De Vylder

Evolucionismo vs Criacionismo na GloboNews

Posted in Atualidades, darwin, Evolução & comportamento, teoria da evolução by Raul Marinho on 27 fevereiro, 2009

Para quem gosta de acompanhar o debate entre a Evolução e a Criação bíblica, vale a pena assistir ao debate ocorrido na semana passada, entre o zoólogo evolucionista Mário Pinna e o geólogo criacionista Nahor Neves. Está em 3 partes, abaixo:

Idade Média ao vivo

Posted in Atualidades by Raul Marinho on 12 dezembro, 2008

idade-media

A Romênia baniu o ensino da Evolução nas escolas. Agora, para uma criança romena, só vale Adão e Eva. (Vide esta nota, em inglês).

Estratégia & evolução

Posted in Evolução & comportamento by Raul Marinho on 14 novembro, 2008

cockroach_halloween_costume

Se aparecer um leão na sua frente, você correrá em sentido oposto, certo? Sim, afinal você tem um cérebro enorme para te ajudar a não cometer uma insanidade como correr em direção ao leão. Mas… E se você tivesse um cérebro minúsculo, será que seria diferente? Se você acha que sim, leia o artigo abaixo, da Folha de hoje, e supreenda-se:

Baratas têm estratégia para rota de fuga

Animais escapam em um ângulo que varia entre 90 e 180 da direção da ameaça, segundo pesquisa

RICARDO BONALUME NETO – DA REPORTAGEM LOCAL

Você acende a luz da cozinha e topa com ela: grande, marrom, cascuda. Uma barata de respeitável tamanho. Enquanto o ser humano hesita entre o inseticida e o chinelo, ela começa uma rápida trajetória de escape na direção oposta. Feito barata tonta? Não.
Segundo um estudo de quatro pesquisadores de Itália, Reino Unido e EUA, a barata escapa em direções predeterminadas e preferidas, em um ângulo que varia entre 90 e 180 da direção da ameaça.
Baratas são um bom modelo biológico para estudar o comportamento de fuga de um animal frente a um predador. Aparentemente elas parecem fugir ao acaso, mas experimentos mostraram que há estratégia por trás das rotas de fuga.
Os pesquisadores, liderados por Paolo Domenici, do Instituto de Metodologia Química, do Conselho Nacional de Pesquisa italiano, publicaram seus resultados na última edição da revista “Current Biology”.
O experimento básico consistia em simular um predador usando uma rajada de vento que a barata captaria e interpretaria como uma potencial ameaça. Cinco baratas de uma espécie comum (Periplaneta americana) tiveram suas trajetórias gravadas em vídeo, depois de estimuladas com vento, entre 75 e 93 vezes. Os cientistas mediam o ângulo entre a direção do vento e a da fuga.
O resultado indicou pelo menos quatro picos de rotas de fuga, aproximadamente nos ângulos de 90, 120, 150 e 180. Os números foram confirmados por outra bateria de testes, desta vez com 86 outras baratas, “assustadas” apenas uma vez. “Direções ao acaso também incluiriam direções para a boca do predador, por isso o acaso completo não é desejável. Da seleção natural se espera que evolua um mecanismo que seja suficientemente imprevisível para que os predadores não possam aprender um padrão de fuga específico, repetitivo por parte da presa”, disse Domenici à Folha.
“Sobre por que existem trajetórias preferidas em vez de trajetórias igualmente possíveis, isso pode ter algo a ver com como as escapadas são controladas, possivelmente pelo modo como os neurônios direcionalmente sensíveis controlam a escapada”, continua.
Ainda não se conhece o mecanismo biológico responsável pela estratégia de escape das baratas. “Nosso trabalho ressalta a necessidade de revisitar a base neurobiológica do comportamento de fuga das baratas”, diz ele. “O comportamento de fuga é controlado por um número de neurônios que são direcionalmente sensíveis. Portanto, as direções específicas de escape podem ser o resultado desses neurônios”, conclui Domenici.
A pesquisa também tem seu lado prático. Confrontado com uma barata, já se pode prever o melhor lugar para mirar o chinelo. “Embora nós gostemos de baratas e não recomendamos o esmagamento. Cada animal é especial à sua própria maneira”, diz o pesquisador.

Lanterna na proa*

Posted in Ensaios de minha lavra by Raul Marinho on 17 outubro, 2008

Na década de 1960, antes dos exames de ultra-som, havia um médico (clínico geral) em Rio Preto que acertava em 100% das vezes o sexo do bebê. Ele olhava para a mãe logo que esta sabia estar grávida e dizia, enigmaticamente: “é menino” (ou “é menina”), e em seguida pegava a ficha da paciente e anotava o palpite, à caneta, pedindo que a paciente retornasse ao consultório após o parto. O detalhe é que esse médico anotava na ficha o palpite oposto do que ele informara de viva voz, ou seja: se ele dissesse que era menino, ele anotava menina, e vice-versa. No retorno, duas coisas poderiam acontecer: 1)a paciente estava feliz porque o médico acertara, ou 2)ela estava indignada com o erro do profissional. No primeiro caso, era só festa; mas se a mãe estivesse decepcionada com o prognóstico errado do médico, este abria o arquivo, pegava a ficha, e dizia: “Moça, acho que a senhora estava nervosa e se confundiu… Olha aqui a ficha: eu anotei menino e não menina, como a senhora estava achando” (ou o contrário). Constrangida, a mãe voltava para casa convencida de que ela é que havia entendido errado.

Muitos profissionais da incerteza têm esse tipo de estratégia. Eu poderia, por exemplo, me consolidar como um vidente de sucesso, adivinhando quem será o campeão paulista de futebol de 2009. Se eu publicar nos classificados da Folha que o Palmeiras será campeão, no Estadão que será o São Paulo, no Diário de S.Paulo, o Crinthians, e assim sucessivamente, eu terei provas do meu acerto qualquer que seja o resultado. Como os jornais que estampavam um resultado diferente do verificado já estariam no lixo (e ninguém guarda classificados de “declarações à praça”, a não ser o próprio interessado), eu, que guardei todos eles, escolheria o que me convém e pronto, nasceu um vidente. O grande problema desta estratégia é que eu só conseguiria sucesso uma única vez. No ano que vem, quando eu fosse fazer as previsões para 2010, as pessoas provavelmente estariam atentas para declarações em meu nome, e logo perceberiam o engodo (risco que o médico do parágrafo acima não corria, já que as informações dele eram privadas).

Economistas, de uma forma geral, utilizam estratégias mais arriscadas para conseguir fama. Sou viciado em sebos, e veja o livro que encontrei um dia desses:

Ravi Batra, atualmente professor da prestigiosa Universidade Metodista Sulista em Dallas, Texas, previu um cataclisma na economia estadunidense nos anos 1990. Abarrotado de tabelas, gráficos e equações, o livro de Batra tinha tudo para ser um bestseller global, e seu autor um sério candidato ao Nobel, não fosse por um pequeno detalhe: os anos 1990 foram espetaculares para os EUA. Houve crise no México, na Rússia, nos “Tigres Asiáticos”, e o Brasil sofreu com a era Collor (e depois com a estagnação dos anos FHC), mas o foco do trabalho de Batra, os EUA, foram de vento em popa. (O que me assusta é que o mais novo lançamento de Batra é “The New Golden Age”, lançado em abril de 2008).

Hoje em dia, Nouriel Roubini desponta como o grande gênio da crise dos sub-primes. Foi ele quem alertou o mundo sobre o precipício logo em frente, mas ninguém deu atenção às suas sábias palavras. Curioso que o próprio Roubini não ouviu sua voz, já que se tivesse ouvido poderia ser o homem mais rico do mundo atualmente, apostando no mercado a termo ou de opções contra o Dow Jones. (Mas não se engane, mr. Roubini é um professor pardal da academia que não tem tempo para essas coisas mundanas como o dinheiro, como se percebe na foto abaixo). Agora, esse economista faz um novo alerta: “o mundo vai levar entre 18 e 24 meses para sair da crise”. Anotem isso em suas cadernetas! (Aliás, anotem também que eu estou prevendo que haverá inundações em grandes cidades do Brasil no início de 2009, devido às fortes chuvas que ocorrerão no próximo verão).

Varrendo a web para ver se achava alguém que não incenssasse Roubini, encontrei uma voz dissonante: Stephen Kanitz, que publicou um execelente artigo sobre o tema no seu site. Conheço o Kanitz, essa lenda do mundo dos negócios desde os anos 1980, quando era estudante de administração da FEA-USP, e ele um dos professores mais famosos da mesma instituição. Tornei-me amigo do Stephen uns anos atrás, ao comentar um artigo que ele escrevera na Veja, e acabamos fazendo uma viagem juntos no ano passado, para Williamsburg (EUA), onde participamos de uma conferência sobre Evolução & Comportamento. Numa tediosa viagem de trem entre Washington e Williamsburg, o Kanitz me convenceu porque não se deve confiar em economistas como o Batra ou o Roubini (sim, eu também ia na onda desses caras há até um ano e meio atrás): estes sujeitos são oportunistas, como o médico de Rio Preto do início deste artigo, e ficam cavando oportunidades para aparecer na mídia como os verdadeiros profetas o tempo todo (é aquele negócio: até um relógio quebrado marca a hora certa duas vezes por dia). Simplesmente não existe esse negócio de previsão econômica do tipo Batra/Roubini, o que existe é chute que, por acaso, acerta o gol. Se você ainda duvida, leia “A lógica do cisne negro”, do Nassim Nicholas Taleb (ou assista à minha resenha do livro, abaixo). Depois não digam que não avisei.

*”Lanterna na proa” é um trocadilho com o título do último livro do Roberto Campos (aliás, sua autobiografia), o pai de todos os economistas do tipo Batra/Roubini.

Cuckoldry

Posted in Evolução & comportamento, Just for fun by Raul Marinho on 7 outubro, 2008

“Comportamento análogo ao dos pássaros que criam filhotes de pássaro cuco”: esta seria a tradução mais precisa para o termo inglês “cuckoldry” – que, exatamente por isso, é intraduzível. O que acontece é o seguinte: a fêmea do cuco não bota os ovos em seu próprio ninho, mas no ninho de outros pássaros. A trapaça dessa estelionatária do mundo selvagem tem requintes de crueldade, já que ela escolhe somente pássaros de espécies menores que a dela para ludibriar. Os pais adotivos chocam os ovos de cuco achando que são seus, e alimentam o filhote de cuco do mesmo jeito que alimentariam sua prole. O filhote, por sua vez, já nasce malandro: a primeira coisa que ele faz ao nascer é jogar para fora do ninho todos os outros ovos (e também os irmãos adotivos se eles já tiverem nascido). O mais estranho é que os pais adotivos continuam alimentando o filhote de cuco mesmo quando este se torna muito maior que os próprios pais, que são de espécies mais franzinas. Em evolução, o termo “cuckoldry” também é aplicado a qualquer situação em que os pais criam filhos que não são seus acreditando que fossem filhos legítimos. Na nossa espécie, o caso mais frequente de “cuckoldry” é quando a mulher trai o marido e engravida do amante, deixando para o corno a missão de criar (ou ajudar na criação) do filho dela com o seu parceiro sexual clandestino. Por questões óbvias, a mulher não tem como ser vítima do “cuckoldry”.

Se você achou a explicação muito complexa ou moralmente incômoda, veja a tirinha abaixo que explica a mesma coisa de uma maneira bem mais leve:

Moedinha No.01

Posted in Ensaios de minha lavra by Raul Marinho on 6 outubro, 2008

Sabe a “moeda número um” do Tio Patinhas, aquela que ele deixa numa redoma de vidro, e que acha que é sua fonte de sorte? Eu também tenho a minha: o primeiro artigo que eu publiquei na revista Você S/A, no início de 2002 (ele ainda está disponível no site da revista, aqui). Honestamentem eu acho esse artigo muito bom até hoje (isso não acontece comn a maioria dos meus textos), um ótimo artigo para um leitor que nunca ouviu falar da teoria dos jogos começar a entendê-la.

Uma Estratégia Brilhante

Com o sucesso que o filme “Uma Mente Brilhante” está fazendo, a história do matemático John Forbes Nash Jr. se tornou popular. Mas suas idéias ainda não. Muito mais interessante que sua esquizofrenia ou seu casamento, o trabalho de Nash foi tão revolucionário que não foi aceito como tese de doutorado em Princeton em 1950 (ao contrário do que o filme dá a entender) para ser reconhecido com o Nobel em 1994. Na verdade, aquele Nobel foi um reconhecimento da comunidade científica sobre um trabalho desdenhado 44 anos antes.
Nash trabalhou sobre o que ficou conhecido como “Teoria dos Jogos”. Esta teoria foi concebida em 1944 por dois outros matemáticos: Oskar Morgenstern e John von Neumann; este último famoso por ter sido um dos pais da bomba atômica e do computador digital. A “Teoria dos Jogos”, assim como o trabalho de Nash, é extremamente polêmico. Morgenstern e Neumann conceberam uma série de “jogos” onde os “jogadores” se defrontavam com situações em que tinham que realizar escolhas com base na escolha do outro “jogador”. O “jogo” mais famoso ficou conhecido como “O Dilema do Prisioneiro”, uma função matemática que explica a cooperação ou não-cooperação entre os “jogadores”. O que Nash fez foi explicar o ponto de equilíbrio desta cooperação, no que ficou conhecido como “O Equilíbrio de Nash”.
Mas o que o matemático fez de realmente notável foi expandir esses conceitos puramente matemáticos para o mundo das ciências sociais, inicialmente a economia. Da economia, a “Teoria dos Jogos” migrou para a sociologia, a antropologia e ficou especialmente interessante quando chegou à biologia. Hoje em dia, o que existe de mais moderno em direito, administração, psicologia, e uma série de outras disciplinas aplicadas deriva da “Teoria dos Jogos”. E, após o Nobel de Nash, o assunto ganhou tanta importância que hoje norteia importantes correntes acadêmicas de pensamento no mundo.
Na biologia, a “Teoria dos Jogos” encontrou grande receptividade na zoologia em geral e na etologia em particular quando se percebeu que os animais também “jogavam”, em muitos casos de forma análoga ao homem. Neste ponto, houve a mistura de conceitos e disciplinas diversas, o que dificultou a compreensão do todo. Seria a matemática (“Teoria dos Jogos”) explicando o comportamento animal (etologia) que, por sua vez, explicaria o comportamento humano (Sociologia e Antropologia) que levaria a conseqüências no dia-a-dia humano (economia, administração, direito, psicologia, etc.).
Além da complexidade de cada assunto em particular, existe o agravante deles geralmente serem estudados por grupos antagônicos. Os matemáticos pertencem a um grupo diferente dos biólogos e dos cientistas sociais e, freqüentemente, não se compreendem. Fora isto, quando os conceitos evolucionistas de Darwin se incorporam a esta salada, volta à tona a polêmica ética e religiosa com os criacionistas. Somente para ilustrar: segundo uma pesquisa realizada em 2001 pelo instituto Gallup nos EUA, 57% dos norte-americanos não acreditam que o homem é uma evolução dos símios. Note-se que isto decorre do trabalho de Darwin feito no século XIX (1859, para ser preciso). Se Darwin ainda é polêmico hoje em dia, imagine Neumann, Morgenstern e Nash!
Este assunto é extenso, complexo e fascinante. Os desdobramentos dele atingem o que de mais interessante existe nas relações humanas. Na economia, existem exemplos fantásticos, como o tema do Nobel de 2001 sobre informações assimétricas. Em sociologia e antropologia, estudos sobre cupins e formigas levaram à criação da sociobiologia, com conceitos muito interessantes para explicar nosso complexo arranjo social. Estudos sobre símios revelaram um novo conceito psicossocial, o MPI (Male Parental Investment ou, mal traduzindo, Taxa de Investimento Paterno) que explicaria as razões básicas emocionais que levariam uma mulher a se interessar por um homem. No direito e na justiça, inúmeros conceitos de “Teoria dos Jogos” vêm sendo utilizados para a formatação de concorrências públicas mais eficazes e contratos mais justos e aplicáveis, assim como está sendo mais fácil prever a ocorrência de crimes como estupro.
Em administração de empresas, a aplicação da etologia em geral e da “Teoria dos Jogos” em particular oferece um vasto campo de trabalho. Aplicações de conceitos de observação de chimpanzés, por exemplo, nos ensinam muito sobre as estruturas de poder nas relações corporativas. Estudos sobre a repetição contínua do “Dilema do Prisioneiro” por outro lado, levam a conclusões surpreendentes sobre estratégias profissionais de longo prazo. Tudo isto leva à criação de estratégias empresariais verdadeiramente brilhantes, onde a grande vantagem é a aderência à mecânica comportamental do ser humano.
Hoje em dia, governos e empresas têm utilizado a “Teoria dos Jogos” para suas estratégias micro-econômicas. Basicamente, sempre que a sua decisão é interdependente e simultânea em relação à decisão do outro, estes conceitos podem ser aplicados. Um bom exemplo são as estratégias mais ou menos protecionistas que os governos adotam no comércio internacional, onde o objetivo é maximizar o rendimento total variando o grau de cooperação entre países em função da reação do restante do mundo relacionada à sua própria decisão.
Simplificando a “Teoria dos Jogos”, o que se pretende é responder à pergunta: “O que é mais vantajoso para mim, tendo em mente que a minha decisão vai implicar em uma reação da(s) outra(s) parte(s): cooperar ou desertar?” A resposta a esta pergunta leva a desdobramentos espetaculares, onde a melhor estratégia nem sempre é o que parece ser. Exatamente aí é que está o brilho desta estratégia. Brilho nem sempre percebido, diga-se.

Chifre é uma coisa que colocaram na sua cabeça

Posted in Ensaios de minha lavra by Raul Marinho on 3 outubro, 2008

Há cerca de um ano e meio atrás, iniciei entendimentos com uma “revista masculina” para publicar artigos baseados em conceitos de Psicologia Evolutiva aplicados à vida sexual das pessoas. Foi que foi até que, enfim, veio aquele papinho de “a editora não está en condições de lhe pagar honorários maiores que X, embora você valha muito mais que isso, e blá blá blá” – ou seja: eles queriam me pagar centavos. É uma tática esperta: como eu não sou um best-seller, eles sabem que eu cederia os textos de graça (que, afinal de contas, já estavam escritos), já que “novos talentos” são ávidos por publicidade gratuita. Só que eles não contavam com minha astúcia de especialista em teoria dos jogos, e os textos permanecem impublicados até hoje.

Ocorre que eu tenho um excelente relacionamento com o editor deste blog, e fiz um acordo multimilionário, cedendo os direitos ao “Cabeça de HP”. O fato do pagamento ter se dado em créditos liquidáveis em 100 anos não me preocupa, já que eu fiz as contas na minha HP e o valor presente é bem interessante… Bem, chega de lenga lenga e vamos ao texto. Tem mais um monte de onde saiu esse, que depois eu publico.

A origem do ciúme

A origem do ciúme está na cabeça, literalmente falando. Quando nossos ancestrais desceram das árvores e ficaram em pé sobre duas pernas, houve uma mudança anatômica que estreitou a pélvis, dificultando a saída dos bebês para as mulheres. Ao mesmo tempo, houve uma forte pressão evolutiva para mais capacidade cerebral, e o tamanho do crânio estava se expandindo. Isso levou a uma sinuca evolutiva: como fazer com que bebês com cabeças cada vez maiores fossem capazes de passar por canais cada vez mais estreitos? A solução encontrada foi fazer com que os bebês nascessem “prematuros”, e é por isso que as crianças da nossa espécie são tão frágeis em comparação a outros mamíferos. Essa fragilidade chegou a um nível tão grande que uma pessoa sozinha acabou não sendo mais capaz de viabilizar a sobrevivência da prole: a mãe passou a precisar de ajuda. Mas… Quem seria essa alma caridosa que estaria disposta a ajudá-la? Além dos parentes da mãe, o suposto pai acabou sendo o auxiliar preferencial para conseguir alimento, proteção contra predadores ou outros machos, e tudo o mais que era necessário para garantir que os bebês humanos chegassem à idade adulta. Estabeleceu-se uma sociedade entre homem e mulher para tocar o empreendimento chamado prole, e o ciúme nada mais é do que a manifestação dos conflitos que acontecem nessa sociedade.

A mulher passou a temer que o pai de seu filho se interessasse por alguma sirigaita da redondeza, o que poderia significar filhos por fora. Isso era um grave risco para ela e seu bebê, já que o homem poderia desviar recursos para outras crianças que não a sua. O homem, por outro lado, temia que sua mulher pulasse a cerca e gerasse filhos que não fossem seus, o que o faria investir seus parcos recursos na prole de terceiros. Pronto, está estabelecida a cizânia – e o ciúme. Isso tudo aconteceu, provavelmente, no alvorecer da nossa espécie. Alguns cientistas arriscam dizer que esse comportamento pode ser até mais antigo que isso, e nós seríamos ciumentos antes mesmo de nos tornarmos propriamente humanos… Mas, independente disso, o fato é que o mundo mudou radicalmente nos últimos milhares de anos, e o Homo sapiens conseguiu controlar sua reprodução quase totalmente. Então, por que, raios, nós continuamos com o mesmo comportamento, mesmo tendo acesso a inúmeros métodos contraceptivos hoje em dia?

O problema é que não é possível modificar comportamentos biologicamente construídos (ou, no popular, instintos) de uma hora para outra. A gente sente ciúme, essa é uma emoção que acontece independente de racionalizarmos a questão. Se sua mulher dissesse que dormiu com um amigo, mas usou camisinha, isso não diminuiria o seu sofrimento. Mas existe o ciúme terminal, que implode uma relação, e um ciúme – digamos – perdoável. Se você confessar que, na sua última viagem a Nova York, você acabou contratando os serviços de uma profissional, talvez você passe uma temporada dormindo no sofá. Tua mulher vai te jogar isso na cara em inúmeras situações, e vai ameaçar te deixar. Mas é pouco provável que vocês se separem só por isso… (A não ser que esta seja a gota d’água para uma separação que já era iminente.) Por outro lado, se sua mulher descobrir que você está apaixonado pela sua secretária, a sua casa vai cair mesmo que ela tenha certeza que nunca houve sexo entre vocês. Agir assim faz sentido evolutivo, uma vez que, nesse contexto, ela está correndo um sério risco de que você a abandone.

Já você deverá pensar de maneira oposta. Se sua mulher transar com seu professor de tênis, isso lhe seria devastador. Mas se ela se envolver emocionalmente com um colega de trabalho, talvez você considere a possibilidade de tentar reconstruir seu relacionamento.(Isso se você estivesse convencido que tudo não passara de uma paixonite, e que a relação sexual em si não se consumou.) Se ela mudar de emprego ou de cidade, quem sabe vocês não salvam o casamento? Para o homem, a suprema tragédia darwinista não é saber que sua mulher suspira romanticamente pelos cantos por terceiros, é investir nos filhos de outros… Se seu suposto pai, seus avôs, seus bisavôs – todos seus ancestrais homens, enfim – fossem cornos, eles poderiam não ter conseguido passar os genes deles para você. Ou seja: a evolução não premia o corno, independente de qualquer consideração moral sobre a traição. Isso não ocorre com as mulheres, que não tem como gerar filhos que não sejam seus parentes (pelo menos, de maneira natural). Como vimos, elas são igualmente ciumentas, mas por motivos totalmente diferentes. Bem, mas depois disso tudo, como fazer para viver de maneira mais tranqüila e feliz, sem ciúmes e brigas? Tem jeito? A boa notícia é que tem jeito, sim. A má é que isso vai ficar para o próximo artigo.