Toca Raul!!! Blog do Raul Marinho

Bob Trivers no Brasil

Posted in Evolução & comportamento, teoria da evolução by Raul Marinho on 10 agosto, 2010

Na semana passada, Robert Trivers, o biólogo estadunidense que propôs a teoria do altruísmo recíproco (tema base do meu livro, “Prática na teoria”), esteve no país, num evento na USP. Como lá não estive, segue abaixo matéria da Folha (repórter Ricardo Mioto), que o cobriu:

Homem precisa se enganar, diz biólogo

Mentir para si mesmo é melhor maneira de ser convincente, afirma Robert Trivers, pai da psicologia evolutiva

Visto como responsável por revolução na ciência do comportamento humano, ele se declara entusiasta da maconha

Platão, Kant e… Trivers?

Se essa lista parece estranha, Steven Pinker, talvez o mais importante psicólogo contemporâneo, discorda.

O biólogo Robert Trivers, diz, é um dos grandes pensadores da história do Ocidente -provavelmente o único deles que é defensor da maconha, apaixonado pela Jamaica e entusiasta do grupo de radicais negros Panteras Negras (ainda que branco).

A empolgação com o cientista se deve ao fato de que Trivers, quase sozinho, revolucionou a psicologia, ao propor, nos anos 1970, elos entre o comportamento humano e a teoria da evolução.

Trivers correlacionou, por exemplo, as diferenças entre o comportamento sexual masculino e o feminino ao fato de que homens investem menos em cada filho do que as mulheres.

Seu tema de interesse atual é o autoengano. Ele defende que os humanos evoluíram para acreditar em mentiras que os façam se sentir melhor e que justifiquem suas atitudes.

O sujeito que, contra todas as evidências, acha que vai se recuperar de uma doença fatal, ou a mulher que se recusa a enxergar que o marido claramente a trai estão, então, apenas sendo humanos.

Apesar da aclamação atual, Trivers, 67, demorou para engrenar como cientista. Quando ainda era aluno da Universidade Harvard, ele trilhou um caminho impressionantemente torto.

WITTGENSTEIN DEMAIS

Tudo dava errado: tentou ser matemático, mas desistiu. Resolveu ser historiador, graduou-se em Harvard, mas ficou desanimado com os livros de história americana. Muita “autoglorificação”.

Quis então ser advogado, mas não pôde entrar na escola de direito porque teve um colapso mental (ficava lendo Wittgenstein noite adentro e não dormia quase nada) e acabou tendo de ser internado para tomar antipsicóticos.

Quando estava se recuperando, conseguiu um emprego para escrever e ilustrar livros de ciências que seriam usados em escolas por alunos de ensino médio.

Os livros venderam bem menos que o esperado- desagradaram os mais conservadores, porque incluíam animais fazendo sexo e ignoravam o criacionismo.

O trabalho, porém, serviu para despertar o gosto de Trivers pela biologia, e ele conseguiu ser doutorando de Ernst Mayr (1904-2005), um dos principais teóricos evolutivos do século 20.

RENAS SIM, QUÍMICA NÃO

Mayr pediu que Trivers fizesse matérias na graduação. Ele preferiu usar o tempo para viajar e ver renas no Ártico.

Quando um comitê em Harvard percebeu a safadeza, quis que Trivers estudasse química orgânica. Ele disse que não havia motivo para preocupações: já estava até matriculado na disciplina.

Poucas horas depois de sair da reunião, vendeu o seu livro de química orgânica e queimou as peças de plástico que os alunos usavam para simular moléculas.

Apesar da rebeldia, os trabalhos publicados pelo garoto logo chamaram a atenção. Seu ponto central: atitudes humanas poderiam ser explicadas pelo sucesso reprodutivo que trazem.

Desavenças em Harvard (leia à direita) fizeram que, em 1978, Trivers saísse daquela universidade. Só voltaria quase 30 anos depois.

Nesse intervalo, exceto por alguns anos em Nova Jersey, Trivers alternou seus dias entre a Costa Oeste americana (era professor na Universidade da Califórnia em Santa Cruz) e sua grande paixão, a Jamaica.

Estudou os lagartos do país, mas isso era só um pretexto, conta. Ficou encantado mesmo com as mulheres jamaicanas -acabou se casando com duas delas (não ao mesmo tempo). Encontrou no país um paraíso: diz-se apaixonado pela cultura rastafári e por mulheres negras ou mestiças.

BLACK POWER

Nos anos 1980, na Califórnia, ele conheceu Huey Newton, líder dos Panteras Negras, grupo revolucionário americano que pregava que negros deveriam se armar para se defender.

Tornaram-se grandes amigos. Antes de ser assassinado, em 1989, Newton foi padrinho de uma das filhas de Trivers. Chegaram a escrever um trabalho científico sobre autoengano juntos -tema que interessava muito a Newton, diz Trivers. Esse se tornou, a partir dos anos 1990, o tópico favorito do biólogo.

Em paralelo, Trivers conduziu um estudo com crianças jamaicanas. Mapeou seus rostos em busca de imperceptíveis assimetrias e, depois, avaliou o quanto elas eram consideradas bonitas por outras crianças.

Viu que, em muitos casos, não é possível, a olho nu, dizer quem é mais simétrico, mas que o cérebro dos “jurados” consegue fazer esse cálculo inconscientemente e apontar o mais simétrico como o mais bonito.

Enquanto não está pesquisando, uma das coisas que gosta de fazer na Jamaica é fumar maconha com conhecidos. É entusiasta do uso da erva e acha que não há motivo para não legalizá-la.

“Fumo há décadas”, diz, enquanto dá uma pancadinha “carinhosa” no interlocutor. Não consegue medir bem a força desses tapas, o que faz que, com o tempo, as pessoas ao seu redor fiquem condicionadas a fugir dos seus movimentos de mão.

Esteve pela primeira vez no Brasil no final de julho. Falou no encontro da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência e deu uma palestra na USP. Ao ser questionado se estava gostando do país, soltou: “Claro! Muitas mulheres bonitas!”

Frase

“Passei muito tempo praticando o autoengano, mas refletindo pouco sobre ele. Não é possível ler o jornal sem estar consciente da importância do autoengano nas questões nacionais e internacionais”

Intrigas com colegas marcaram a carreira de Robert Trivers

Professores da própria Universidade Harvard não gostaram, nos anos 1970, das ideias de Trivers sobre comportamento humano.

Cientistas sociais acharam (e acham) que se tratava de “determinismo biológico”.

“Quando era doutorando, achava que em 20 anos ninguém mais ia falar que tudo era construção social. Mas já faz 40 e veja se eles mudaram!”, diz Trivers.

Mesmo biólogos importantes de Harvard, notoriamente a dupla Stephen Jay Gould e Richard Lewontin, opuseram-se a ele. Trivers e eles trocavam farpas.

Quando Gould, por exemplo, disse que o orgasmo feminino estava ali por acaso (um rescaldo evolutivo inútil, como os mamilos masculinos), Trivers respondeu que isso mostrava “o quanto Stephen deve conhecer de perto esse evento abençoado”.

Já Lewontin, o mais velho dos três, era cobra criada quando Trivers publicou seus primeiros trabalhos. Alguns anos após ele terminar o doutorado, Lewontin conseguiu afastá-lo de Harvard (ao menos essa é a versão de Trivers), em 1978. Trivers foi trabalhar longe dali.

Quase 30 anos depois, em 2005, viu que, ao menos entre os biólogos, o jogo tinha virado. Foi convidado a voltar a Harvard para dar aulas. “Foi como matar aqueles filhos da p. e roubar a juventude deles”, disse, adepto dos palavrões que é, sobre seus velhos colegas.

Trivers é do tipo que briga com alguma facilidade. Certa vez, na Jamaica, ficou dez dias preso após uma briga decorrente de uma discórdia sobre uma conta de hotel.

“Eu acho que os organismos precisam de certo feedback físico às vezes”, disse.

Brigando ou não, sua tentativa de conquistar a juventude parece ter funcionado. Toda uma área de pesquisa, que passa pela obra “O Gene Egoísta”, de 1976, que apresentou Richard Dawkins ao mundo, e chega aos livros do próprio Steven Pinker, baseia-se nos seus estudos.

3 Respostas

Subscribe to comments with RSS.

  1. bields84 said, on 14 agosto, 2010 at 7:53 pm

    muito legal seu blog!

    gostei do post!

    se quiser que eu coloque alguma matéria sua que tenha a ver com psicologia no meu blog, é só me avisar

    o endereço é:

    http://psicologiaparatodos.16mb.com

    abraços!
    virei aqui mais vezes!!!! !! !

  2. Raul Marinho said, on 15 agosto, 2010 at 4:00 pm

    TY! Vou explorar o teu blog e entro em contato.
    Abs,
    Raul

  3. sand said, on 24 maio, 2011 at 1:49 pm

    Bob Trivers no hera una Pantera Negra por que La Pantera Negra ya no funcionaba para la comunidad en 1979. La Pantera Negra paro de existir como un Partido en 1972. Lo que quedava era un culto de Huey P. Newton. La jente Blanca no podia ser parte de la Pantera Negra. El incluso de Bob Trivers no es legitimo pero uno de los ultimos ejemplos de los erores que hizo Huey Newton despues que salio de la carzel en Agosto 1970.

    sand


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: