Toca Raul!!! Blog do Raul Marinho

PP Prático com Cherokee no ASP

Posted in Aviação by Raul Marinho on 17 março, 2010

Devido aos comentários do post “Para ser piloto (como ‘tirar brevê’)”, resolvi postar sobre como foi meu treinamento prático para PP em detalhes. Lógico que não foi o ideal, nem eu sou o melhor piloto do mundo, mas é interessante para as pessoas verem como é que funciona a coisa na prática – inclusive na questão financeira.

Antes de começar o treinamento, já estava aprovado na “Banca Online” da ANAC (sem o qual não se pode passar da 15ª hora de vôo), e com o CCF de 2ª classe (exame médico para PPs, imprescindível para começar o treinamento prático). Todo o treinamento foi efetuado no ASP (Aeroclube de São Paulo, baseado no Campo de Marte, na Zona Norte da cidade de São Paulo) com aeronaves Piper Cherokee-140 (PT-IZO,PT-IZN, PT-IZV, e PT-IZQ), à exceção do vôo noturno, que ocorreu a bordo de um EMB-712 Tupi prefixo PT-NTY, da Embraer (ambas do tipo P28A). Meus instrutores foram o Almeida, o Umeki, o Caico, o Pasquale (que foi quem me solou), o Helder, o Alarcon, o Pinha, o Pessini e o Josper. Utilizei os aeródromos de Marte, Atibaia, Fazenda Irohy (onde solei), Fazenda Vale Eldorado, Sorocaba e Jundiaí (para as fases “Pré Solo” e “Aperfeiçoamento”), além de Tietê, Rio Claro, Itu, Piracicaba, São Manoel e Tatuí para navegação.

Vamos às etapas do treinamento:

1. Ground School: 20/08/2009

Antes de começar a voar, é necessário realizar um treinamento em solo sobre as características do avião, como fazer as inspeções pré-voo, e um básico de navegação. A parte sobre o avião é baseada numa apresentação em PPT com dados técnicos da aeronave: velocidades, comandos, etc. A inspeção pré-voo é realizada no próprio equipamento, com o check-list que o aluno irá usar por todo o curso. E a parte sobre navegação é uma explicação sobre o funcionamento dos corredores visuais, os aeródromos que serão utilizados, a VAC de Marte (carta de aeródromo), essas coisas. O instrutor foi o Helder. Tudo leva cerca de uma hora e meia, e custou R$140,00 (R$110,00 pela aula, R$25,00 pelo manual, e R$5,00 pela cópia da carta de corredores).

2. Etapa “Pré Solo”: de 31/08/2009 a 05/01/2010

Esta é a fase do treinamento em que se aprende a voar. Nas primeiras 5 ou 6 aulas, o foco são as manobras básicas: decolar, nivelar, curvar (com inclinações variáveis), subir, descer, usar o compensador, essas coisinhas. Depois, o principal é pousar (de longe, a parte mais difícil), além das manobras clássicas (“’S’ sobre estrada”, “8 ao redor de marcos”, etc.) e emergências. No final desta fase, é preciso aperfeiçoar o pouso até que o instrutor se convença de que você está apto a voar solo – que, no meu caso, aconteceu após 18 voos de instrução, que duraram cerca de 22 horas – por isso, repete-se incessantemente os “toques e arremetidas” (manobra em que você pousa e decola em sequência). Gastei cerca de R$6.600,00 nesta fase.

Minha instrução foi, por questões pessoais, bastante irregular, com um único vôo em agosto e outro em setembro, 4 em outubro, 4 em novembro, 7 em dezembro e, em janeiro, um vôo pré-solo antes do aguardado vôo solo, em 05/01. Tudo ocorreu sem maiores contratempos, à exceção do meu 6o vôo, que quase acabou em tragédia. Estava um dia quente, e com pressão baixa, com vento de través de cerca de 10 nós. A pista em uso era a 30, que obriga o piloto a superar o morro da Casa Verde logo após a decolagem. Assim que decolamos, ocorreu uma rajada de vento de 25 nós, que atingiu a asa direita do avião. Isso obrigou o instrutor (nesse momento, eu já “estava de passageiro”) a aproar a parte mais alta da elevação. Acabamos passando a cerca de 2m da parte mais alta do morro, e eu cheguei a ver claramente a imagem de uma televisão pela janela de um sobrado. Foi verdadeiramente sinistro.

3. Etapa “Aperfeiçoamento”: de 06 a 26 de janeiro

Essa é a etapa mais chata: você já sabe voar, já solou, mas não pode navegar. O objetivo, como o nome diz, é aperfeiçoar seu vôo, treinando todo tipo de decolagem e pouso (com e sem flaps, curta, normal, etc.), as aproximações em 180 e 360 graus, emergências, etc. São nove missões que, no meu caso, duraram aproximadamente 10 horas, custando R$3.300,00.

4. Etapa “Navegação”: de 27/janeiro a 22/fevereiro

Essa etapa é o oposto da anterior, pois é a mais divertida de todas. A idéia é simular viagens reais, incluindo toda a preparação: pesquisa de aeródromos, levantamento de dados meteorológicos, formulação do plano de vôo, traçar a rota no mapa, preparar planilha, etc. Cada missão leva cerca de 3 horas, e os roteiros padrão do ASP são os seguintes:

1ª Navegação: Marte-Jundiaí-Tietê-Rio Claro-Sorocaba-Marte

2ª. Navegação: Marte-Itu-Piracicaba-São Manoel-Sorocaba-Marte

3ª e 4ª Navegação: Marte-Sorocaba-Piracicaba-Tatuí-Sorocaba-Marte

Normalmente, realizam-se toques e arremetidas em alguns aeródromos (um ou dois), e o restante da missão é realizada em altitudes mais elevadas – eu prefiro a máxima possível para vôo visual (7.500 pés), onde há menor turbulência e a temperatura é cerca de 10 graus mais baixa que no solo. As missões de navegação são realizadas pela manhã no verão, dado que há enormes chances de chuva à tarde. No total, naveguei 12 horas, o que me custou R$3.600,00.

5. Voo noturno : 27 de fevereiro

O vôo noturno não é obrigatório para poder checar o PP, mas se você não o fizer, não vai poder voar depois do por do sol no decorrer da instrução para PC – então, na prática, todo mundo faz. Aqui no ASP, como os Cherokee não podem voar à noite, é preciso realizar essa missão no Tupi, que é mais potente, tem mais asa, e um painel mais completo, além de comportar quatro pessoas (no Cherokee, só cabem duas). Em compensação, é um avião mais caro: custa R$463,00/hora, contra R$299,00 do Cherokee. Mas como o vôo noturno é breve (no meu caso, 1,2 horas), não sai caro (R$575,00). Minha missão noturna foi fazer um toque e arremetida em Jundiaí, voltar e ficar de “mosca de padaria” (sobrevoando São Paulo sem pousar em lugar algum).

Com isto, você está pronto para o cheque, que é a verificação final por um checador indicado pela ANAC. Números finais do meu treinamento prático de PP:

– Custo total da instrução: R$14.648,40

– Horas voadas totais: 47,8

-Pousos totais: 120

ATENÇÃO: A SEÇÃO DE COMENTÁRIOS DESTE POST ESTÁ FECHADA. ESCREVA SEU COMENTÁRIO NA PÁGINA http://paraserpiloto.wordpress.com/comentarios-dos-posts-antigos/ .

Anúncios

12 Respostas

Subscribe to comments with RSS.

  1. […] LEIA TAMBÉM: “PP Prático com Cherokee no ASP” […]

  2. ubiratan said, on 31 março, 2010 at 1:14 am

    Parabéns pelo ótimo relatório sobre a obtenção da licença de PP. Melhor do 1que muitas conversas soltas por aí. Muito útil. Um serviço de Utilidade Pública… Parabéns

  3. Raul Marinho said, on 31 março, 2010 at 8:40 am

    Tks!

  4. julio cesa said, on 11 maio, 2010 at 10:43 pm

    oieee te falar gostei muito do seus comentarios a respeito da aviação…meu parabens..

  5. R Miranda said, on 20 maio, 2010 at 9:41 pm

    Meus parabéns pela exclencia do blog. Sou revascularizado, tenho 45 anos, a possibilidade de que eu tire brevê para PP.

  6. Raul Marinho said, on 20 maio, 2010 at 10:01 pm

    Miranda,

    Dê uma olhada no RBHA-67, especialmente no item 67.43, e veja se vc encontra a resposta para o seu problema:
    http://www.anac.gov.br/biblioteca/rbha/rbha067.pdf

    Abs+boa sorte+tks,

    Raul

  7. Ronaldo said, on 17 junho, 2010 at 4:16 pm

    Parabéns! Essa matéria é de grande utilidade para quem pretente se brevetar PPA, dá a real noção da realidade do curso prático. Pretendo cursar PPA agora em 28/06/2010… Abraços e Sucesso!!!

  8. eduardo said, on 1 agosto, 2010 at 4:37 pm

    parabens,praticamente uma monografia,otimos comentarios para iniciantes que querem entar na carreira

  9. lucelio said, on 14 janeiro, 2011 at 5:16 pm

    Um relatório bem detalhado, parabéns!

  10. […] no ASP-Aeroclube de São Paulo, onde realizei meu curso de PPA-Piloto Privado de Avião (vide este post), iniciei meu treinamento prático para PC-Piloto Comercial em 1º de maio de 2010, inicialmente no […]

  11. Henrique said, on 29 março, 2011 at 7:30 am

    Ótimo o seu blog, muito boa a iniciativa de colocar essa informação online.

    Tenho interesse em tirar CHT PP e o relatório da sua experiência me ajudou a entender o processo com mais detalhes e ver que é, sim, possível que eu concretize esse sonho.

    Obrigado!

  12. […] à criação do “Para Ser Piloto”, tendo sido publicado no meu outro blog, “Toca Raul!!!“, em 17/03/2010 – foi sobre minha experiência no curso prático de PP no ASP-Aeroclube […]


Comentários encerrados.

%d blogueiros gostam disto: