Toca Raul!!! Blog do Raul Marinho

Reconhecimento público

Posted in Atualidades by Raul Marinho on 10 dezembro, 2008

applause

Este blog é arena de constantes críticas a vários colunistas da imprensa, principalmente os da Folha de São Paulo e, em particular, os srs. Clóvis Rossi e Antonio Delfim Netto. Hoje, porém, os dois foram muito felizes em seus respectivos textos, razão pela qual dou a mão à palmatória. Abaix, suas respectivas colunas de hoje, com as quais concordo integralmente:

CLÓVIS ROSSI

O G8, o cafezinho e o Brasil

Durante a reunião ministerial do G20 em São Paulo, faz um mês, o ministro Guido Mantega disse que o Brasil não queria mais participar do G8 só para “tomar cafezinho”. Era uma alusão ao fato de que nas mais recentes cúpulas do grupo dos sete países mais ricos do mundo e a Rússia passaram a participar também o que o jargão diplomático batizou de “outreach countries” (em tradução absolutamente livre, a periferia, formada, no caso, por Brasil, Índia, China, África do Sul e México).
Acontece que a periferia só é chamada, como diz Mantega, para o cafezinho. Ou seja, entra nos salões da nobreza no dia seguinte, depois que o G8 propriamente já almoçou e jantou toda a agenda e já emitiu o documento final.
Para o ano que vem, o anfitrião (Silvio Berlusconi, premiê italiano) já anunciou um novo formato: continua, no primeiro dia, a reunião só do G8, mas, no dia seguinte, a periferia entra e fica o dia todo reunida com os grandes (Berlusconi incluiu o Egito entre os “outreach countries”). No terceiro dia, entram os africanos e, acha Berlusconi, forma-se um G20.
É o típico jogo lampedusiano de mudar tudo para que tudo fique igual. Quando Mantega se queixa de que o Brasil não quer só o cafezinho, não está, como é óbvio, se referindo a refeições, mas a jogar o jogo desde o início.
Depois de duas cúpulas do G20 (em novembro, em Washington, e no próximo abril, em Londres), não faz sentido o G8 continuar como um clube exclusivo, até porque a sua única agenda é a crise global, de cuja discussão não podem ser excluídos os grandes emergentes.
Aceitar esse formato equivale a aceitar que o G20 tenha a função de “legitimar as iniciativas do G8”, como aponta Xaiojin Chen, do Instituto de Tecnologia e Economia Internacional da China.
Ou tomar só o cafezinho -e frio, ainda por cima.

ANTONIO DELFIM NETTO

– 0,25%, por favor

O EXTRAORDINÁRIO apoio da população brasileira ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva, registrado pela pesquisa Datafolha da semana passada, é o reconhecimento de que sua reação intuitiva à catástrofe mundial é mais confortadora e, no fundo, mais adequada do que o “realismo terrorista” proposto por alguns sábios. Certamente não é uma “marolinha”. Mas por que o Brasil precisa sofrer, necessariamente, um “tsunami” devastador?
É hora de os economistas reconhecerem e aceitarem com humildade: 1º) que o bacilo produtor desta crise foi cuidadosamente criado e cultivado nos laboratórios de uma pseudociência -parte da economia-financeira-, com sua pretensão de que tinha “descoberto” modelos estocásticos capazes de precificar qualquer risco; 2º) que sua disseminação foi feita pelos perversos incentivos apropriados pelos que vendiam tal “ciência” graças à confiança que os compradores de papéis (o aplicador, o chamado “principal”) depositavam nos vendedores (o banco de investimento, o chamado “agente”) e 3º) que os Bancos Centrais do mundo (nos quais o “principal” depositava sua confiança na fiscalização do “agente”) surfaram alegremente a onda de liqüidez que ajudaram a criar com sua política monetária laxista e sua falta de fiscalização das possíveis conseqüências dos “novos” produtos. Nisto foram acompanhados pelas agências de risco e pelos auditores privados.
A conseqüência deste triste diagnóstico é que nem a política monetária nem a política fiscal podem alterar a situação enquanto não se restabelecer o fator catalítico que sustenta o funcionamento dos mercados: a confiança.
Manter a liqüidez do sistema financeiro é importante, mas ela não leva ninguém a tomar emprestado (o consumidor ou investidor) ou a emprestar (a instituição financeira): todos sabem que se pode levar o burro à fonte, mas não se pode obrigá-lo a beber. Manter uma política fiscal que sustente os investimentos públicos e reduza a carga tributária é importante, mas incapaz de estimular o investidor privado ou o consumidor a abdicarem da sua liqüidez enquanto não acreditarem que haverá demanda e emprego no futuro.
É hora de reconhecer que a política econômica teve responsabilidade pela crise, mas que, por si mesma, ela é incapaz de resolvê-la, uma vez que sua causa fundamental está fora da economia. Trata-se de restabelecer a confiança da sociedade no funcionamento dos mercados para que as políticas monetária e fiscal possam voltar a funcionar. É por isso que uma redução da taxa Selic de 0,25% seria psicologicamente importante. E tecnicamente recomendável.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: